Criptomoedas e pagamentos
6 de julho de 2020

Usar critpomoedas para pagar contas ou fazer compras é possível?

Por cursoronaldosilva

A utilização de criptomoedas aos meios de pagamentos tradicionais ainda não é uma realidade muito ampla no Brasil e no mundo.

No entanto, é possível observar que algumas transações financeiras já estão sendo realizadas com essa integração entre economia tradicional e moedas virtuais.

Pode-se dizer, portanto, que não está tão longe o dia em que isso será uma frequente, mesmo que essa agregação esbarre em questões de legislação e logística.

Neste artigo será abordada uma análise sobre a integração das criptomoedas aos meios de pagamentos tradicionais.

Continue a leitura e fique sabendo as maiores motivações e os principais obstáculos para a implantação dessa forma facilitada de emergir as duas esferas.

A integração das criptomoedas nos pagamentos tradicionais

Em países onde as criptomoedas ganharam aderência há mais tempo que no Brasil, os pagamentos por serviços tradicionais através de moedas virtuais já se encontram em positivo estágio de aceitação.

Alguns estabelecimentos já aceitam Bitcoin, por exemplo, desde o ano de 2013. É o caso do moderno bairro de Kreuzberg, em Berlim, que foi uma das primeiras regiões do mundo a aderir ao novo.

E seguindo essa linda, aqui essa integração das criptomoedas aos meios de pagamentos tradicionais também já começa a acontecer.

No ano de 2019, saiu uma lista com estabelecimentos que aceitam Bitcoin como forma de pagamento. Veja alguns:

  • Venda de hospedagem em sites em empresas como Innova Host, Targehost, Chunkhost e Hostinger;
  • Serviços de TI da GrupoW, Q2 Informática e GV8;
  • Agências de marketing digital como a Agência BMweb, 55bits, CodeTrends, ProduWeb e Near Future;
  • Lojas virtuais como a Loja Geek Click, Quero Vinho, RiosGames, GoSkate, LojaBit, Da Lata Head Club, Ultrafitness e DUODRIP;
  • Pousada Luzes de Geribá, em Búzios/RJ;
  • Lojas físicas em São Paulo como Luz Calçados, Top Class Colchões e SQUARE;
  • Escritório de advocacia Krassmann & Ribas Advogados;
  • Amorita Joias, joalheria em Sergipe.

Integração ao Paypal

Atualmente, tem-se falado sobre a possibilidade da gigante de pagamentos Paypal começar a considerar Bitcoins em sua plataforma.

Por enquanto são apenas rumores, embora alguns indícios apontem para que isto esteja mais próximo da verdade do que apenas mera especulação.

A própria empresa ainda não falou oficialmente sobre o assunto, mas se de fato acontecer muita coisa dentro do setor estará por vir.

Independente da plataforma que começará a integração de criptomoedas aos meios de pagamentos tradicionais, isso vai ser uma realidade num futuro não muito distante.

Acesse aqui o curso segredos do bitcoin e aprenda a ganhar dinheiro com bitcoin e outras criptomoedas imediatamente.

Os problemas dessa integração no Brasil

O país ainda não é uma potência de aderência e utilização de moedas virtuais, ainda que o número de adeptos esteja em constante crescente.

E mesmo com o começo da integração das criptomoedas aos meios de pagamentos tradicionais, o assunto encontra limites em questões principalmente de natureza legal.

A legislação é complexa e burocrática no que diz respeito à tributos. A ausência de dinamismo, portanto, vai de encontro aos objetivos simplista e descentralizado das Bitcoins e outras moedas virtuais.

Vale a leitura deste artigo, onde há uma análise mais detalhada sobre os impasses desse processo.

Conclusão

O dinheiro é o que move o mundo e é muito difícil imaginar uma sociedade funcionando sem o uso da moeda.

Em se tratando do surgimento de novas formas de movimentá-lo, muitos são os fatores que se transformam em obstáculos para a integração e popularização do que é novo. Como é o caso da Bitcoins e demais moedas virtuais.

No entanto, a engenharia do mercado financeiro avança para a integração das criptomoedas aos meios de pagamento tradicionais.

Portanto, já que o objetivo das moedas virtuais é facilitar transações financeiras, nada mais justo que esse método simplificado alcance o mercado como um todo. E que, como boa consequência, descomplique o dia a dia de quem lida com dinheiro – todos nós.